como é a transmissão?

    Varíola
    dos macacos

Com casos confirmados no Brasil,
a varíola dos macacos atraiu a atenção do mundo todo nos
últimos dias. Trata-se de uma infecção viral rara, em que os pacientes geralmente evoluem
bem e sem maiores complicações.

A principal forma de transmissão é a de pessoa para pessoa, pelo contato direto com fluidos corporais (como sangue e pus), secreções respiratórias ou feridas de um infectado. 

PRINCIPAL FORMA
DE TRANSMISSÃO

Além disso, manter relações sexuais, abraçar e beijar alguém infectado pode facilitar a transmissão da doença. 

Em caso de mordidas e arranhões de animais ou uso de produtos feitos de animais infectados, a pessoa também corre o risco de desenvolver sintomas.

Outra forma de transmissão é o contato com as roupas de vestir, roupas de cama, toalhas ou objetos como talheres e pratos que estão contaminados com o vírus.

CONTATO COM OBJETOS CONTAMINADOS

Vale destacar ainda a transmissão da gestante para o feto ou da mãe para o bebê em caso de contato com a ferida, inclusive no momento do parto.

Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

Neste momento, ainda não está claro se as pessoas que não apresentam sintomas podem espalhar a doença.

Os sintomas da varíola do macaco costumam desaparecer espontaneamente e ainda não há tratamentos específicos para a infecção.

SINTOMAS E TRATAMENTO

Texto: Maria Fernanda Conti
Fonte: Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS)
Design: Artur Quintella
Imagens: Unsplash, Freepik, ShutterStock e Science Photo Library
Vídeos: Tenor

+ Bem-estar e Saúde